ACS ocupam Palácio da Abolição e comissão recebe categoria

129

Muita garra e determinação dão o tom da primeira ação da greve dos agentes de saúde do Estado. Cerca de 800 trabalhadores de 38 municípios viajaram a noite toda até Fortaleza e, às 6h de hoje (9), ocuparam o Palácio da Abolição.

Agora pela tarde, a comissão do Sindsaúde está em reunião com a comissão do governo, formada pelo secretário de Saúde, Arruda Bastos, o secretário-executivo da Secretaria de Planejamento (Seplag), Eduardo Diogo, e o chefe de gabinete do governador, Danilo Serpa.

Após a reunião, a proposta do governo será apresentada aos agentes de saúde. Em assembleia, os grevistas decidirão os rumos da ocupação do Palácio.

“Viemos preparados para ficar toda a noite, acampar até que nossa pauta seja atendida”, afirma a secretária geral do Sindsaúde, Marta Brandão.

Repressão

Os agentes de saúde foram recebidos por policiais militares, do COTAM (Comando Tático Motorizado) e do Batalhão de Choque, com armas de grosso calibre, escudos, cassetetes e sprays de pimenta. Impedidos de adentrar a área em frente ao Palácio, os agentes estão acampados nos jardins.

A Companhia de Polícia Rodoviária Estadual (CPRV) estava posicionada nas vias próximas para evitar a chegada dos manifestantes.

“Nós somos incapazes de agredir alguém e estamos sendo barrados”, reclamou uma agente de saúde.

Já a presidente do Sindsaúde, Tereza Neuma Siqueira, lembrou que os ACS, ao invés de serem tratados como bandidos, deveriam ser homenageados, pois contribuíram significativamente para a redução da mortalidade infantil no Estado.

Reforço

Nesta sexta-feira (10), os servidores de nível médio da saúde do Estado iniciam greve e deverão agregar-se à ocupação do Palácio da Abolição. Em pauta unificada com os agentes, eles lutam pela reestruturação do Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) e gratificação por plantões aos finais de semana.

Outras categorias prestaram solidariedade à greve dos ACS, como os servidores municipais, guardas e dentistas, estes últimos em greve pela implantação de seu PCCS.