Agentes de saúde e de combate a endemias manifestam-se em Uruoca

90



Os agentes comunitários de saúde (ACS) e os agentes de combate a endemias (ACE), junto com o Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde no Ceará (Sindsaúde) realizaram manifestação em frente à prefeitura de Uruoca, nesta sexta-feira (25).


Os agentes de combate a endemias protestam contra o corte do adicional de insalubridade de oito trabalhadores. A prefeitura deixou de pagar o benefício, no valor mensal total de R$ 497,60, alegando a lei de responsabilidade fiscal. No entanto, o Sindsaúde descobriu no site do TCM que ao mesmo tempo em que retirava o direito dos agentes de endemias, a prefeitura gastou a fortuna de R$ 251.000,00 com bandas de forró, em nome de Wonicley Alves Ferreira ME. O adicional de insalubridade é um direito concedido a profissionais que são expostos a agentes nocivos à saúde, como é o caso dos agentes de combate a endemias, reconhecidamente.


Já os agentes de saúde querem repasse de 40% do incentivo financeiro, uma verba enviada pelo governo federal aos municípios, no valor de R$950,00 a cada agente, destinada ao Programa de Atenção Básica à Saúde e às atividades dos ACS.


A prefeitura de Uruoca, além de atrasar o repasse do incentivo (atualmente em dois meses de atraso), ainda corta o benefício de quem não cumprir as metas abusivas impostas pela gestão – coisa que não ocorre em nenhum outro município – e de quem estiver em licença maternidade ou saúde. Ora, os trabalhadores não podem ser punidos por engravidarem ou adoecerem, e é isso que Uruoca está fazendo.


No dia 24/10, o sindicato entregou à Promotoria de Justiça pedido para que o município de Uruoca se abstenha de gastar dinheiro com bandas de forró até que estabilize as finanças.