Ato contra o Projeto de Lei da Terceirização reúne milhares em Fortaleza

128

Cerca de seis mil trabalhadores participaram na manhã desta quarta-feira, 15/04, da Paralisação Nacional contra a Lei da Terceirização, PL 4330. A concentração começou por volta das 8h da manhã na Praça do Carmo, no Centro de Fortaleza.  De lá, eles seguiram em passeata pelas ruas do centro até a Praça do Ferreira, onde foi realizado um grande ato público.


 


Nas faixas e cartazes, eles apontavam os deputados “traidores” da classe trabalhadora que votaram a favor do texto básico do PL 4330 e divulgaram alguns dos prejuízos que esse projeto, se aprovado, vai trazer para os trabalhadores, representando a escravidão do século 21. 


 


Atenderam ao chamado para o protesto em Fortaleza profissionais da saúde, professores, comerciários, trabalhadores da construção civil, asseio e conservação, movimentos populares, trabalhadores sem teto, e sindicalistas da Central dos trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil, CTB, Central Única dos Trabalhadores, CUT, e Conlutas. Por conta do ato, algumas lojas só abriram às 9 horas da manhã. Mas a partir das 9h30, o comércio foi orientado pelo Sindicato dos Comerciários a fechar as portas. Durante o ato na Praça do Ferreira, todas as lojas estavam fechadas.


 


O PL 4330


 


O Plenário da Câmara Federal deve se reunir na tarde desta quarta-feira,15/04, a partir das 14 horas, para continuar a votação do projeto que flexibiliza as terceirizações, ampliando-as para todas as áreas de uma empresa. Na terça-feira, 13/04, os deputados aprovaram retirar empresas públicas, sociedades de economia mista e suas subsidiárias da proposta, mas decidiram adiar as maiores polêmicas.


 


Para os movimentos sindicais, isso já pode ser um resultado da pressão dos trabalhadores contra a aprovação do projeto. Para a presidente do Sindsaúde, Marta Brandão, ainda há tempo para reverter a aprovação do Projeto de Lei 4330, que coloca em risco os direitos do trabalhador. É preciso manter a pressão nos deputados para que essa medida conservadora não seja aprovada nas próximas fases de votação. “Os trabalhadores brasileiros não vão ficar calados, não vão se omitir diante da arrogância e prepotência do presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha, que quer impor ao povo brasileiro o retrocesso que significa o PL 4330 – da Terceirização”- afirmou.


 


Com informações da Assessoria de Comunicação do Sindsaúde – Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde no Ceará