Diretores de hospitais deverão desconsiderar faltas, afirma coordenadora da Sesa

117

Em reunião da Mesa de Negociação Permanente do SUS (MNP-SUS) ocorrida ontem (15/1), a coordenadora da Gestão do Trabalho e da Educação em Saúde (CGTES), Lúcia Arruda, afirmou ao Sindsaúde que enviará ofício aos diretores dos hospitais do Estado para que desconsiderem as faltas dos servidores de nível médio da saúde durante o movimento realizado em dezembro de 2012.

“O sindicato reivindicou que os servidores não tivessem perdas de direitos e a coordenadora disse que ocorrerá como no outro período de greve (agosto e setembro de 2012), sem perdas para os servidores, e que, inclusive, adotará a mesma providência para o caso dos dentistas”, explica a diretora do Sindsaúde, Givana Lopes.

A coordenadora se comprometeu ainda a marcar reunião com o secretário de Saúde, Arruda Bastos.

Representando o Sindsaúde, estiveram na reunião da MNP-SUS os diretores Messias Carlos, Givana Lopes e Gercina Ribeiro.

Plantões extras no Hias

A diretora Givana Lopes aproveitou a ocasião para denunciar um problema que há muito se arrasta no Hospital Infantil Albert Sabin e o sindicato espera resolver com a nova diretora: o hospital descumpre a portaria 49/2010, que estabelece que o servidor deve dar o plantão e ter 48 horas de descanso, no mínimo.

No Sabin, o ex-diretor, Walter Frota, resolveu descumprir esta regra, instituindo, nos meses de 31 dias, o total de 11 plantões para quem trabalha em escala ordinária e 16 plantões para os que trabalham em escalas contendo extras. 

Com esta regra imposta pelo Dr. Walter, nos meses de 31 dias, o plantonista trabalha mais um dia, sem receber remuneração e, em muitos casos, trabalha até três plantões seguidos, desrespeitando a regra instituída pela citada portaria.

Diante da denúncia, Lúcia Arruda se comprometeu a pedir reunião entre a nova diretora do Hias, Marfisa Portela, e o Sindsaúde.

O sindicato já havia pedido mediação com Marfisa Portela via ofício. Esperamos que a determinação ilegal da direção anterior seja revogada, caso contrário, entraremos na Justiça, já que de todos os hospitais do Estado do Ceará, somente a direção do Hias descumpre a portaria da Secretaria de Saúde.

O Sindsaúde pediu mediação com a Dra. Marfisa Portela, nova diretora-geral do Hias, a fim de que seja revogada a determinação ilegal da direção anterior.

Se a Dra. Marfisa não revogar a regra imposta por seu antecessor, o Sindsaúde irá ingressar na justiça, pois, de todos os hospitais do Estado do Ceará, somente a direção do Hias descumpre a portaria da Secretaria de Saúde.