Hapvida Aldeota instala câmeras no banheiro feminino

479



Esta matéria está na nova edição do “O Termômetro”, que será distribuída nas unidades de saúde a partir da próxima quarta-feira (13/8).


A gerente do Hapvida Aldeota, Marieta Araujo C.B. Coelho, não consegue entender os limites do controle sobre as empregadas da empresa.



Acostumada a obrigar os empregados e empregadas a dobrar plantão, a gestora resolveu “modernizar” seus métodos de perseguição: mandou instalar uma câmera filmadora no banheiro feminino do hospital Hapvida Aldeota, localizado na Av. Des. Moreira. Isto mesmo. As empregadas, agora, sequer podem trocar suas vestimentas como antes faziam, porque suas imagens íntimas são transmitidas para um monitor instalado na sala da chefia. Neste hospital trabalham mais de cinquenta mulheres que quando vão ao banheiro ficam expostas às bisbilhotagem da chefe.



Para a assessoria jurídica do Sindsaúde, este tipo de equipamento não pode ser colocado em banheiro, pois atinge direito consagrado pela Constituição Federal, no caso, direito à intimidade.



O sindicato já ingressou com ação judicial para que o Hapvida retire imediatamente esta câmera do banheiro. Na ação, o sindicato também pede indenização por danos morais a serem pagos às mulheres que trabalham atualmente naquela unidade do Hapvida, pois todas foram vítimas dessa insensatez da chefia.