Jornada discute avanços na área de transplantes de medula óssea

220


Após registrar com sucesso no último mês de fevereiro o seu primeiro transplante de medula alogênico, no Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC), o estado do Ceará já se prepara para realizar no próximo mês de maio o segundo procedimento deste tipo, que requer mais tecnologia e cuidados com os pacientes.


Desde o ano de 2008 eram realizados apenas transplantes autólogos, que é quando o paciente recebe células saudáveis do próprio corpo. Já no transplante alogênico, novidade no Estado, o paciente recebe células sadias de um doador. No entanto, apenas 30% dos doadores compatíveis estão entre os familiares do paciente, tornando a busca por um doador “não-aparentado”, ainda mais difícil.


Isso se dá em virtude da doação de medula ser um procedimento que ainda precisa de uma maior adesão da população, diz o chefe da equipe da equipe de Hematologia e Transplante de Medula do HUWC, Fernando Barroso.


Para abordar questões referentes aos transplantes de medula de uma maneira geral, além de debater sobre as novidades que surgem nesta área nos outros estados e países, acontece entre os dias 7 a 10 de maio no Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce) a XIV Jornada Cearense de Hematologia e Hemoterapia.


Durante o evento, voltado para profissionais e acadêmicos da área da saúde, 41 autoridades em transplantes de todo o País, além de um médico norte americano, da Universidade da Carolina do Sul (University of South Carolina) vão proferir palestras sobre o tema.


Fila


No Ceará, existem atualmente 60 pessoas aguardando na fila por um transplante de medula, entre autógenos e alogênicos. Ao todo, o HUWC já realizou em torno de 125 transplantes de medula óssea desde 2008, colocando o Ceará em 4º lugar no Nordeste dos estados a realizar esse tipo de procedimento, ficando atrás de Pernambuco, Bahia, e Rio Grande do Norte.


Para ser um doador de medula óssea é preciso ter entre 18 e 54 anos de idade e gozar de boa saúde. Para se cadastrar, o candidato a doador deverá procurar o hemocentro mais próximo de sua casa, onde será agendada entrevista para esclarecer possíveis dúvidas a respeito das doações e, em seguida, será feita a coleta de uma amostra de sangue (de 5 a 10ml) para a tipagem de HLA (características genéticas importantes para a seleção de um doador). 


Serviço


XIV Jornada Cearense de Hematologia e Hemoterapia


Quando: 7 a 10 de maio


Onde: Auditório do Hemocentro Coordenador (Rua Capitão Francisco Pedro, s/n)


Inscrições: www.hemoce.ce.gov.br
Mais Informações: (85) 4011 1575/ 3101 2274


Saiba mais


O transplante de medula óssea é um procedimento seguro, realizado em ambiente cirúrgico, feito sob anestesia geral, e requer internação de, no mínimo, 24 horas.


Os dados do doador são inseridos no cadastro do Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome) e, sempre que surgir um novo paciente, a compatibilidade será verificada.


Uma vez confirmada a compatibilidade o doador será consultado para decidir quanto à doação.


Fonte: O Povo