Prefeitura paga IDGS

233

Prefeitura paga parte do que deve ao IDGS, mas terceirizados só não entram em greve caso repasse seja integral.

O Instituto de Desenvolvimento Tecnológico e Apoio à Gestão em Saúde (IDGS) recebeu da Prefeitura de Fortaleza parte do que lhe é devido. Entretanto, a organização afirma que o dinheiro repassado não é suficiente. A expectativa, agora, é de saldar parcialmente os débitos que o instituto tem com 5,3 mil funcionários.

Na manhã de ontem, antes de o repasse ser feito ao IDGS, servidores vinculados ao instituto haviam decidido, em assembleia em frente ao IJF, deflagrar greve na próxima sexta-feira, 14. Para o Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde (Sindsaúde), a quitação de parte da dívida não muda a decisão. “Só suspenderemos a greve se pagarem integralmente o que nos devem”, afirma Ulisses Vilar, diretor do Sindsaúde. Ulisses garante, porém, que o sindicato respeitará uma mudança de atitude da categoria.

No entanto, o pagamento integral desses valores não deve acontecer em breve. “O dinheiro que recebemos dá para quitar os salários de novembro, os valores integrais do vale-transporte e metade do vale-refeição. Estamos negociando a liberação de recursos para pagar o restante dos débitos”, informa o gerente de departamento pessoal do IDGS, Jean Karlo Moura. O gerente diz não haver data prevista para a liberação desses recursos. Assim, os terceirizados ainda ficariam por receber metade do vale-refeição e a primeira parcela do 13º salário.

A coordenadoria de comunicação da Prefeitura de Fortaleza alega que, por lei, tem até o dia 20 de dezembro para efetuar o pagamento da parcela do 13º salário. O Sindsaúde contesta. Ulisses Vilar afirma que o prazo para realizar o pagamento era 30 de novembro.

Saiba mais

Onde trabalham

O IDGS tem funcionários prestando serviço em hospitais, Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), postos de saúde e Centros de Atenção Psicossocial (Caps).


Cerca de 10 % dos funcionários do IJF são vinculados ao IDGS.O Samu tem 50% do seu efetivo ligado ao instituto; 90% dos funcionários do Caps têm vínculo empregatício com IDGS.

Os dados são do Sindifort.

Fonte: O Povo