Respeito e cuidado com as diferenças

203


Com as bênçãos dos orixás e a força espiritual das loas entoadas pelos maracatus, aconteceu ontem o Seminário Promoção da Equidade no SUS – projeto da Fundação Demócrito Rocha em parceria com a Universidade Aberta do Nordeste. Cinco mil agentes de saúde, representantes de comunidades e gestores e interessados pela temática se reuniram para discutir estratégias que promovam a equidade – tratamento diferente para entes diferentes – dentro do sistema público de saúde.


O seminário integra a programação do Curso Promoção da Equidade no Sistema Único de Saúde (SUS) – ministrado à distância e que tem 12 fascículos semanais encartados no O POVO (ver serviço). Para Odorico Monteiro, representante do Ministério da Saúde (MS) do Programa Mais Médicos no Ceará, o evento e o curso são uma estratégia de fortalecimento para o trabalho dos agentes. Conforme o gestor, os agentes formam uma “ponte indispensável” entre as comunidades e a atenção primária.


E foram os agentes de saúde os responsáveis por lotar o Centro de Eventos na tarde de ontem. Eles estavam, claro, empolgados com a chance de discutir como pessoas diferentes têm necessidades diferentes e, portanto, necessitam de soluções e estratégias traçadas conforme o contexto. Mas também foram eles que se embalaram com as apresentações culturais (maracatu, cultura de rua, apresentações circenses) e espalharam toda a energia positiva, que emerge da mistura entre as diferenças.


“Cada uma das cores dessa aquarela, cada uma das diferenças compõem a linda bandeira de uma sociedade mais justa, mais tolerante e com oportunidades para todos. Uma bandeira que hasteamos hoje. Esse programa louva o diálogo social baseado no respeito ao outro. Respeito que preserva as diferenças e a pluralidade de pensamentos e opções”, declarou, em seu discurso, a presidente do Grupo de Comunicação O POVO, Luciana Dummar.


Há 26 anos trabalhando como agente comunitária no município de Cascavel, Marta Helena Evangelista diz que discutir a equidade e as diferenças da população é algo importante para o trabalho. “Ajuda a trazer uma saúde de melhor qualidade dentro da nossa realidade”, afirma.


O evento – que teve participação de agentes de Fortaleza e do Interior – foi realizado em parceria com o MS, Universidade Estadual do Ceará (Uece) e Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), além de secretarias estaduais e municipais da Saúde, Associação dos Municípios do Estado do Ceará (Aprece), Conselho dos Secretários Municipais de Saúde (Cosems) e Central Única das Favelas.


Bastidores


O rapper Edi Rock, integrante do Racionais MCs, foi um fos convidados do seminário. Antes de fazer um pocket show, conversou com fãs que estavam na plateia aguardando a apresentação. Jovens do grupo cearense VM na Rima estavam no local e mostraram suas músicas para o rapper.


Com a quantidade elevada de participantes e caravanas vindas do Interior, a organização do evento teve que espalhar mais cadeiras no pavilhão do Centro de Eventos.




Uma das presenças mais disputadas durante o evento foi o deputado federal Raimundo Gomes de Matos (PSDB) – um dos legisladores mais atuantes na aprovação do projeto de lei que regulamenta o piso salarial e o plano de carreira dos agentes de saúde e de endemias. Profissionais pediam para fazer fotos, abraçar e conversar com o deputado.


Serviço


Curso Promoção de Equidade no SUS


Inscrição gratuita: www.fdr.com.br


Período: 21 de maio a 6 de agosto


Circulação dos fascículos: sempre às quartas-feiras


Programa de TV – videoaula:


TV O POVO (48 – canal aberto, 23 – Multiplay, 11 – TV Show), aos sábados, às 7h30min, com reprise às quartas, às 6h30min. (uma semana após a veiculação da aula na TV O POVO, será disponibilizada no Ambiente Virtual de Aprendizagem – AVA)


Prova online: ficará disponível entre 11/8 e 11/9


Módulos: Equidade em saúde; Organização Sócio-política do Brasil; Sistema Único de Saúde; O SUS no Ceará; Saúde integral da população negra, quilombola e comunidades tradicionais de terreiro – I e II; Saúde Integral da População LGBT – I e II; Saúde Integral da População do Campo, da Floresta e Águas;Saúde da população em situação de rua; Populações Nômades e Itinerantes; Integralidade, Equidade e Participação Social.


Fonte: O Povo