Sindsaúde mobiliza trabalhadores da Unimed para cobrar CCT 2015

142

Dirigentes do Sindsaúde estiveram na manhã desta sexta-feira, 10/07, na entrada de funcionários do Hospital da Unimed, em Fortaleza, para mobilizar os trabalhadores para a aprovação da Convenção Coletiva de Trabalho 2015. Na entrada para o trabalho, os profissionais receberam uma nota informativa esclarecendo sobre a proposta indecente do sindicato patronal que oferece um reajuste que não repõe sequer a inflação acumulada do período.


 


No dia 22 de maio de 2015, os patrões ofereceram reajuste de 5% para os pisos e 5,5% para as demais categorias, o que não repõe sequer a inflação dos últimos doze meses, que foi de 8,34%, conforme INPC, medido pelo IBGE. A proposta foi recusada pelo Sindsaúde, que não aceita que os empregados sejam penalizados pelo desequilíbrio financeiro provocado por má gestão.


Abaixo, uma tabela comparativa com as propostas de reajuste que o Sindsaúde está pedindo para os profissionais da UNIMED e o que o sindicato patronal está oferecendo hoje:


 








Profissional


Piso Atual


Proposta SINDSAUDE


Proposta SINCOOMED


Auxiliar de Enfermagem


R$ 758,00


R$ 900,00


R$ 795,90


Auxiliar de Laboratório


R$ 800,00


R$ 900,00


R$ 840,00


Recepcionista/Atendente


R$ 830,00


R$ 950,00


R$ 871,50


Técnico de Enfermagem


R$ 900,00


R$ 1.200,00


R$ 945,00


Motorista Socorrista


R$ 1.340,00


R$ 2.000,00


R$ 1.407,00


                                         


 


 


 


 


 


 


 


 


 


 


 


 


 


 


 


 


 


O desrespeito com os empregados (chamados, ironicamente, de colaboradores) é sem limites. O valor do reajuste proposto para o vale-alimentação, por dia, é de R$ 0,72. Isto mesmo. Não compra nem um picolé Pardal. O valor do vale-alimentação da UNIMED Fortaleza é de R$ 330,00/mês e foi oferecido o valor de R$ 346,00. 


 


O Sindsaúde reafirma seu compromisso de lutar, sem trégua, pelos direitos dos trabalhadores das UNIMEDs, conclamando todos para a mobilização. Só assim o patronato respeitará os trabalhadores. Sempre foi assim e não vai diferente nas cooperativas médicas.


 


Com informações da Assessoria de Comunicação do Sindsaúde – Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde no Ceará