Sindsaúde e Sindifort se reúnem para debater denúncia ao Ministério Público sobre Educação Permanente da SMS

144

Diante de denúncia sigilosa, feita ao Ministério Público do Trabalho, em outubro de 2021, dando conta de que há discriminação no tocante a Educação Permanente, para os servidores de nível médio que ingressaram no concurso de 2015 (técnicos e auxiliares em saúde bucal e técnicos de enfermagem), o Sindifort e o Sindsaúde reuniram-se para debater a denúncia.

A Secretaria Municipal de Saúde também foi notificada e já respondeu à Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público.

Nós, enquanto representantes das categorias, reafirmamos nossa defesa em busca da almejada isonomia entre os profissionais componentes da Atenção Primária à Saúde, nas diversas UAPS, da capital, no que diz respeito à Política de Educação Permanente, prevista na Portaria Nº 1.436 de 12 de dezembro de 2019.

O desejo é que tenhamos o atendimento deste importante instrumento de viabilização da capacitação dos servidores da APS, de forma que o direito constitucional da isonomia seja, de uma vez por todas, aplicado sem ameaças e distorções.

A Assessoria Jurídica do Sindsaúde-Ce prepara as informações para responder à Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público. A denuncia foi, inicialmente, remetida ao Ministério Publico do Trabalho, o qual declinou da competência, rementendo o procedimento para o Ministério Público Estadual.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here